Archive for the ‘Gestão de Produtos WEB’ Category

É comum aos desenvolvedores apaixonar-se pela tecnologia e deixar de enxergar a demanda.

A Demanda exerce papel fundamental no ciclo de negócio. Ela é necessária para existência do negócio e deverá ser atendida para que haja fidelização do cliente e posterior aumento do ROI do Produto (fidelização é crescimento).

O ambiente de Desenvolvimento, pelo contato direto com o produto e também pela visão vertical de lógica de programação e infra-estrutura, acaba por enxergar a melhor maneira de fazer o produto, e não necessariamente a melhor maneira de atender a demanda.

Fluxo Orientado a ROI

Fluxo Orientado a ROI

A criação de valor existe quando o cliente ou consumidor percebe um diferencial que atende suas necessidades. Um diferencial que não atende necessidades é apenas um diferencial, e nada mais.

Por este motivo, o fluxo orientado a ROI é dividido em gestão de marketing de produtos web e gestão de mídia.

A gestão de mídia tem como objetivo elevar o tráfego para aumentar a cobertura do produto em novos clientes pelo menor custo.

A gestão de marketing web tem como objetivo criar, testar e deselvolver produtos ou features que aumentem a fidelização dos clientes. A fidelização é diretamente proporcional à taxa de crescimento natural do produto – e portanto exerce papel fundamental no ROI final do produto.

Anúncios

Site pronto, tudo bonito, rodando. Ok.

E agora ?

Se fazer um site já é complicado, imagine então ter que ‘povoá-lo’ de internautas, clientes e fornecedores. Para alavancar os acessos do seu site, preparei um guia passo-a-passo.

Qual o seu Objetivo?

Em primeiro lugar você deve ter em mente, de forma clara, o seu objetivo de inserção no mercado – traduzindo: você pretende gerar vendas (performance) ou desenvolver a sua marca (branding + time spending) ? Os usuários vão se cadastrar ? Vão retornar ao seu site de tempos em tempos ?

De onde virão os usuários ?

Depois de traçar a sua estratégia você poderá contar com as seguintes fontes de tráfego para alavancar os acessos:

Tráfego Pago
– Paid Search (Google / Yahoo)
– Links Patrocinados (UOL)
– Display Media (Banners)

Tráfego Não-Pago
– Organic Search (Google, Yahoo e buscadores)
– Marketing de Guerrilha (Posts e Divulgações em Fórums)
– Acessos Diretos (www) e Indicação de Amigos
– Newsletter para Base
– Promoção Cultural (member-get-member)

Como medir o ROI e o Tráfego ?

Você deverá eleger que ação do usuário gera retorno financeiro, ou então alguma métrica que represente o ‘sucesso’ do seu site.

O seu site poderá vender pela internet, gerar ligações de consulta e vendas, gerar cadastro para mailing, acessos no CHAT online, enfim… são várias as métricas para você avaliar. Você deverá ter controle sobre o resultado que cada uma das formas de mídia (tráfego) promovem no seu site.

Ex.: Se o seu site for de uma imobiliária, por exemplo, e você deseja que os usuários entrem no CHAT e iniciem uma conversa com um corretor, você deverá trackear (rastrear) o tráfego e medir quantos acessos são necessários para gerar uma conversa.

É através deste controle que você avalia os seus investimentos em mídia e, consequentemente, o ROI (Retorno do Investimento).

Quanto mais acessos você tiver, proveniente de tráfego não-pago, melhor será o seu ROI. A melhor maneira de crescer com eficiência é analisando periodicamente o seu retorno sobre cada uma das mídias, promovendo os ajustes necessários.

IMPORTANTE: Não comece seus investimentos sem antes possuir uma ferramenta para mensurar o seu ROI. Em breve postarei um código de uma ferramenta que faz isso, chamada ROI TRACKING.

A retenção de usuários é uma estratégia bastante eficiente – o que gera um retorno excelente em acessos diretos e RV´s – porém é muito difícil de ser atingida.

Os entraves para a retenção de clientes estão no serviço, na qualidade do conteúdo do seu site e na fidelização de usuários.

O usuário de internet não mede esforços para digitar www ou mesmo trocar de website.  Da mesma forma como ele acessa pela primeira vez com facilidade, ele pode deixar de conferir o seu conteúdo sempre que algum outro site oferecer – de maneira mais completa – o serviço que ele necessita.

Estamos, sim, falando de fidelização de usuários. Um assunto tão abordado no marketing que já existe literatura suficiente falando sobre este conceito.

A fidelização parte do princípio da superação. De provocar um “uau!” ao surpreender o cliente com algo que ele não estava esperando. Não se trata apenas de atender as expectativas dos clientes com qualidade, trata-se de surpreender as expectativas do cliente.

O cliente surpreendido volta sempre, indica para os amigos, e contribui com críticas e sugestões para o sucesso do seu negócio.

Em alguns casos, pode ser muito custoso fidelizar os clientes. Dependendo do negócio ou da necessidade do usuário a fidelização torna-se desnecessária – já que ele depende do serviço.

Porém é sempre bom estar atento aos concorrentes, acompanhando os seus esforços em satisfazer os seus usuários pois um ‘delivery’ de novas features e recursos pode tomar muitos clientes da sua base.

Olho na concorrência, na sua estratégia de ROI, e segue o barco! Boa sorte.

A engenharia de produção web é uma atividade complexa.

Engenheiros constróem fábricas, prédios, equipamentos e produtos para atender as necessidades da sociedade. A Engenharia de Produtos Web é aquela que reúne esforços para oferecer produtos e serviços através da Internet.

Embora o produto final seja sempre “virtual”, a produção web convive com desafios reais, demandando profissionais com os mais diversificados conhecimentos.

Fluxo normal da produção web:

Interface, Navegação e Arquitetura de Informação
Montagem e preparação das telas que serão apresentadas ao usuário no site. Neste ponto é desenhado o fluxograma do site (como as pessoas navegam nele e através das páginas) e também são previstos os botões, formulários, áreas de publicidade on-line (display media) e outros.

Design de Interface
Nesta etapa o site é desenhado em programas editoriais como Photoshop e Fireworks, sendo ‘recortado’ para utilização em camadas na próxima etapa.

WebDesign de Templates
Montagem dos templates em HTML, XHTML e CSS que serão mostrados ao usuário. Neste momento os arquivos de imagem são aplicados às camadas do template.

Planejamento de Banco de Dados
Definido a arquitetura de informação, o próximo passo é o planejamento do bando de dados que irá armazenar as informações do site. Nesta etapa são definidas as tabelas, campos e relacionamentos do banco.

Ambiente e Infra-Estrutura
Onde vai ficar o site ? Qual será o banco de dados ? O planejamento de carga e necessidade de recursos são previstos neste estágio, definindo o ambiente e a linguagem de programação (as principais linguagens são
Java, ASP, PHP e ColdFusion). Os servidores são testados e estão prontos.
DICA: A escolha da linguagem é muito importante pois vai definir os custos de mão de obra e infra-estrutura na manutenção do produto.

Codificação da Aplicação
A aplicação é o ‘programa’ que vai rodar por trás das páginas e templates do site. A aplicação vai permitir a manipulação de informações no banco através do site.

Testes de Funcionamento e Segurança
O ponto final do processo de desenvolvimento são os testes de usabilidade e segurança. No pré-lançamento ou ‘delivery’  da produção web são testados os recursos, performance da aplicação, tempo de resposta e também as principais falhas de segurança (vulnerabilidades) conhecidas.

Diagrama de GauntDiagrama da Produção Web

Caminho PERT/CPM das atividades sendo realizadas em paralelo no menor tempo possível. Algumas atividades são dependentes e, por este motivo, o caminho crítico da produção web é bastante definido.