Archive for the ‘Marketing On-Line’ Category

Audiência dos Portais em 2008

Dono de dois dos maiores sites com acessos diretos do Brasil, o Google nadou de braçada na Internet Brasileira em 2008.

Google, Orkut e iG foram os únicos a atingir crescimento acima da média do mercado (8,3%), atingindo 11,12%, 12,5% e 11% respectivamente.

O Orkut e o próprio buscador do Google, possuem uma audiência que supera qualquer grupo de publicidade brasileiro, incluindo UOL, IG, Terra e Globo.com.

Com crescimento abaixo da média de mercado, o UOL, Terra e Globo.com  perderam market-share.

Desde o início de 2008 o iG está reforçando sua política de mídia social e web 2.0 como padrão na criação de produtos e serviços. Em 2009 são esperados cortes, demissões e uma nova reestruturação na empresa.

A grande virtude de ser líder em audiência espontânea na Internet é a capacidade de gerar retorno financeiro aos acionistas, ao contrario dos portais brasileiros, que dividem suas receitas com os portais verticais – chamados de parceiros de conteúdo. O google tem como gerador de conteúdo todos os sites e usuários da Internet.

Os números são resultado de uma política de marketing focada na satisfação do usuário e superação das suas expectativas, com foco na web 2.0.

Somados, o Orkut e o buscador Google possuem audiência maior do que iG, Terra e Globo.com juntos.

De olho nesse mercado, a microsoft também fez suas apostas e aposta no msn como plataforma de mídia social para alavancar tráfego para os parceiros.

Pense na imagem de um cardume de peixes se movendo.

foto dos peixes1

Ao pensar nesta cena me vem à cabeça a perfeita sincronia entre os peixes, que se movem alinhados, nadando sempre ao lado uns dos outros. Notamos sempre uma reação instantânea dos peixes aos nossos movimentos, ao levantar de uma cadeira, por exemplo.

Tudo isso ocorre devido à NOTOCORDA, um filamento sensível à pressão ambiente que está presente em todos os peixes. A água, como excelente transmissor de ondas e pressão, atua imediatamente no órgão, movimentando os cardumes.

Na internet a coisa não é muito diferente.

Embora fisicamente distantes, estamos conectados pelas keywords, pelos interesses e pelos hábitos. Pelo “log” do comportamento.

Buscamos informação para nos tornar autênticos, absorver conhecimento e acabamos plugando nossas “notocordas” na rede tornando-se imediatamente estatística sobre um grupo ou perfil.

Ninguém escapa do big-board. Nem mesmo no long-tail estamos protegidos.

Já fazemos parte de vários cardumes. A cultura de nicho chegou para ficar.

Quando o Google surgiu, em 1998, ele rápidamente se tornou o grande portal da Internet mundial. Ele tornou-se o “first-step” de qualquer usuário, principalmente os leigos. Ele é a porta de entrada de qualquer pessoa e ao abrir o Browser digitamos quase que instantâneamente G-O-O-G….

Começou aí o meu questionamento: Quem trabalha para quem ?

Para debater o conceito de gestão de investimento em mídia digital através do ROI, vou dar alguns exemplos sobre o conceito e como aplicá-lo no seu dia-a-dia.

Situação Exemplo:
Você já está com um site pronto com o seu catálogo de produto no ar, porém ainda ninguém o conhece. Embora tenha já possua um site, ninguém sabe que ele existe: falta tráfego.

Vamos supor que você deseja iniciar o seu investimento com R$ 100 mensais em campanhas de Paid Search do Google. Sua intenção é investir e avaliar quantas vendas ou ligações surgem dos visitantes que procuram os seus produtos.

É bastante provável que você tenha diversas palavras-chave para anunciar, seja com nomes de produtos concorrentes e/ou termos comuns do seu negócio, porém nem todas as palavras irão lhe trazer o mesmo resultado.

Além disso, você vai veicular diversos produtos e alguns vão gerar mais vendas do que outro.

Veja se você consegue responder às seguintes perguntas:

Quais palavras geram melhor retorno para você ? Qual produto gera mais vendas ? Como medir e avaliar o seu leque de possibilidades de investimento comparando uma palavra-chave com a outra ? Como avaliar os produtos que anuncio ?

A resposta para todas estas perguntas é uma só: calculando o ROI.

Calculando o ROI

Calculando o ROI

O ROI – retorno do investimento – deve ser calculado dividindo o valor geral de vendas pelo investimento relizado. Veja fórmula acima.

O ROI é um indicador que vai lhe dizer, basicamente, quantas vezes o dinheiro que você investiu está retornando. É um indicador de performance de mídia.

Mas o que faço com ele ?

O ponto é: o ROI não tem valor se não utilizado para fazer comparações e pontos de corte.

O ROI deve ser calculado por “segmentação” ou agrupadores. Você deve utilizar os agrupadores para identificar o tráfego proveniente de cada uma das palavras chave que está utilizando. Por trás de palavras-chave diferentes existem clientes diferentes. Uns estão dispostos a comprar, outros não.

Além disso, existe o ROI do produto, que independênte da fonte de tráfego que você utilize, pode apresentar variações devido à demanda e concorrência (variáveis de mercado).

Voltando ao exemplo, vamos supor que eu tenha uma padaria e resolvi anunciar em quatro palavras distintas: “pão francês”, “paozinho”, “café da manhã” e “padarias”.

No total foi investido R$ 100, o que gerou R$ 75 em vendas de paezinhos. O ROI total negativo em 25%, porém eu pretendo ter lucro e otimizar o meu retorno. Se continuar comprando estas palavras iria à falência.

Ao agrupar os números por palavra-chave, teríamos:

Detalhando o ROI por palavra-chave

Detalhando o ROI por palavra-chave

Repare que nem todas as palavras-chave ofereceram o mesmo resultado. Porém cabe a você continuar anunciando desta forma ou promover mudanças para mudar o ROI e o retorno da campanha.

O procedimento correto neste caso é estabelecer um “ponto de corte” do ROI. Ou seja, você deixa de veicular em alguns anúncios para deixar o ROI positivo e tornar o negócio lucrativo.

No exemplo da padaria, você poderia cortar todas as palavras com roi negativo. Ficaria apenas com a palavra “pão francês”, e então você passaria a ter um retorno de 127% sobre o investimento, abrindo mão de parte das vendas.

Outra possibilidade seria eliminar parte dos investimentos, para não perder volume de vendas. Neste caso seria possível anunciar nas palavras “pão francês” e “paozinho”, ficando com um roi médio de 22,80% positivo e com um volume de vendas bem próximo do anterior: R$ 70,00. Veja:

Mesa campanha com otimização do ROI

Mesa campanha com otimização do ROI

O próximo passo é você conseguir ampliar e testar novas palavras-chave. Quanto mais testes realizar, melhor será a sua tomada de decisões visando VOLUME ou RETORNO.

O importante é ter o controle sobre cada centavo investido, aumentando o ganho do investidor e promovendo o seu site com inteligência.

Durante toda a história das comunicações, as tecnologias avançaram focadas na necessidade de um único emissor, ampliando cada vez mais o alcance e a audiência de receptores.

Rádio, TV, Carta, Telégrafo e Páginas Estáticas da Internet foram veículos de mão única, onde um único emissor produzia conteúdo para outros receptores.

A “quebra de  paradigma” e as características web 2.0 representam exatamente o oposto: são sites e páginas dinâmicas, produzidas por vários emissores e acessadas por vários receptores.

Orkut, YouTube, Twitter e outros são exemplos de aplicações montadas para levar as opiniões, vídeos e conteúdos de vários emissores a um único receptor ou mais.

A principal caracteristica web 2.0 é a possibilidade de interagir grupos e pessoas entre si. Tornar-se o centro das atenções pela relevância do seu conteúdo, e não pelo seu poder de emissão.

Os tradicionais veículos de comunicação estão perdendo espaço dia após dia para a web 2.0. As características web 2.0 é se envolver com o público. É opúblico interagindo com os seus semelhantes.

A velocidade com que estes tipos de sites e comunidades estão crescendo é impressionante.

Se tomarmos por base os Estados Unidos, verificamos que 55% dos entrevistados não assitem programas de TV na televisão. 70% das Crianças com menos de 11 anos não utilizam a televisão.

Por fim, estamos próximos da era da eficiência. A verdade nua e crua. Empresas que tratam mal os seus consumidores serão reveladas em Blog´s e páginas da Internet.

As características web 2.0 são:

– Transparência e verdade;
– Vários emissores, vários receptores;
– Possibilidade de interação entre os usuários do meio;
– Várias fontes de opinião = mais confiança.

Veja abaixo o universo 2.0 na Internet:

Universo da Web 2.0 - Caracteristicas web 2.0

O comportamento do consumidor nunca esteve tão próximo das teorias de marketing quanto atualmente.

Pirâmide de Maslow

Em 1975, Maslow escreveu a “Teoria da motivação humana” detalhando e segmentando em grupos as principais necessidades do ser humano, partindo de sua condição social.

Kotler Kotler

Em 1998, Kotler incrementou sua teoria, acrescentando forças de mercado, segmentação do consumidor e revolucionando a ótica do marketing.

Fluxo de Marketing - Kotler

Certamente, muita coisa mudou nestes últimos 32 anos. O segmento mais afetado pela evolução tecnológica, sem dúvida, é o da Comunicação, que envolve a Publicidade e consequentemente o mundo dos negócios.

No meio do século, grandes grupos industriais e comerciais se formaram em torno de investimento em publicidade, construindo verdadeiros gigantes em torno de marcas e patentes. Foi a era de grandes marcas como GM, SONY, PANASONIC, HP, IBM, Microsoft e Apple.

Estas marcas, construídas através do tempo, pela experimentação do produto em curvas progressivas de exposição à marca, duravam anos. Os investidores aproveitavam a sinergia de branding para adquirir empresas de outros segmentos, expandindo o core-business.

Com o advento da internet, os custos de publicidade despencaram. Modelos de negócios que eram baseados em negociação de volume junto a fornecedores de produtos e mídia estão sendo devastados pelas campanhas de SEM e CPC.

Pequenos anunciantes, com produtos verticais, estão adentrando o mercado com baixo investimento, baixo risco e altas taxas de retorno.

A segmentação agora pode ser feita por região, por hábito, por tipo de conteúdo, por palavra-chave, por horário… e bastam alguns minutos para configurar sua campanha. O ‘mailing’ está desaparecendo. A segmentação agora é on-the-fly.

Marcas antes desconhecidas estão ganhando força nas bolsas de todo o mundo. Google, Yahoo, Orkut, Facebook, MySpace, MSN e outras construíram audiências jamais vistas nos meios tradicionais.

O marketing nunca foi tão necessário quanto nos dias de hoje. Estamos na era do foco e da eficiência.

O ano de 2008 foi um marco para o Google. Os investimentos em Paid Search (Marketing de Busca) aumentaram em todos os players do comérico eletrônico no Brasil e permitiram a algumas lojas crescer bem acima da média de mercado.

origem de tráfego - magazine luiza

A MagazineLuiza ampliou de 13,50% para 31% o tráfego proveniente do Google. O crescimento espantoso de 229% na participação desta origem de tráfego foi a estratégia adotada também pela FastShop.

Origens de Tráfego da Fastshop em 2008

A FastShop ampliou de 7,70% para 21,01% a participação do Google nas suas fontes de tráfego, consolidando um crescimento de 272% do tráfego proveniente desta mídia.

A estratégia adotada por ambas empresas geraram resultados positivos.

> Veja: Crescimento do Comércio Eletrônico no Brasil em 2008.